quinta, 16 agosto 2018 15:00

Funcesi estará presente no V Colóquio Internacional de Análise do Discurso

“Ingerência do Discurso de Poder na Mecanização Discursiva Social” será o trabalho que a Funcesi apresentará em São Carlos - SP

De 12 a 14 de setembro, na Universidade Federal de São Carlos, em São Paulo, acontecerá o “V Colóquio Internacional de Análise do Discurso – V CIAD”, evento que tem por objetivo promover o encontro e a interlocução de diferentes grupos de pesquisa dedicados aos estudos do discurso no Brasil, além de propor a discussão e reflexão coletiva em torno do tema do evento, que esse ano será Discurso e (pós) verdade: efeitos de real e sentidos da convicção.

A Funcesi estará presente nessa quinta edição do CIAD apresentando o trabalho “Ingerência do Discurso de Poder na Mecanização Discursiva Social”, resultado de pesquisa científica desenvolvida por Mariany Cristina De Paula Garcias, Daniel Amorim Silva, Anielle Fernanda Eduardo Silva, Jhennyfer Hozana Juliana Dias Pereira, Thalis Fernandes Mercês e Maria Luiza Gomes Morais, coordenados por Shirlei Luana Chaves e Sousa Pereira, professora Adjunta e de Pós-Graduação da instituição.

Esta quinta edição do CIAD será dedicada às relações entre discurso e verdade: além da tradicional participação dos grupos de pesquisa em Análise do Discurso, vindos de todo Brasil e do exterior, também está prevista a realização de mesas-redondas e conferências com especialistas nacionais e estrangeiros.

Histórico do trabalho

Este trabalho é resultado de uma pesquisa de iniciação científica vinculada ao CEPPE (Centro de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão) da FUNCESI. Objetivou-se, com este estudo, compreender como as pessoas recebem os discursos institucionalizados e se são influenciadas, ideologicamente, por eles, pois se pode dizer que o sujeito sofre interferências dos vários modos de discursos que são veiculados na sociedade.

Sendo assim, partimos da compreensão de que a ideologia não é algo apenas estrutural, que dita referencial de pensamentos e construções discursivas, mas que estamos diante de ideologias que causam impacto na maneira em como o indivíduo vai se comportar no meio social ao qual está envolvido. Neste viés, ao revistarmos Althusser (1970) nota-se que ele compreende a ideologia não como uma consciência infida, mas um meio pelo qual os sujeitos vivem, dentro de suas condições, as relações. Associando à questão ideológica, achamo-nos, portanto, no que Michel Foucault (1970) descrevia como são as instituições: modelos repressivos que formulam o indivíduo para que ele possa se portar da maneira pela qual foi “criado”.

Diante do exposto, é que se propôs, por meio de uma abordagem quantitativa e qualitativa, desenvolver uma pesquisa de campo tendo como instrumento de coleta de dados um questionário, que foi aplicado a 300 pessoas e uma entrevista semiestruturada aplicada a dois professores, dois alunos do ensino médio, dois alunos do curso superior e duas pessoas sem nenhuma formação escolar. Mediante aos resultados da pesquisa pode-se dizer que os sujeitos foram compreendidos a partir de dois ângulos: os sujeitos que têm alcance a variados meios de informações e, por outro lado, os sujeitos que têm um acesso limitado aos meios de informações.

À vista disso, pode-se identificar, que aqueles dos quais carecem de maior informação e formação educacional, são os mais afetados pela massificação discursiva. Não obstante, a massificação não está limitada a estes, dado que pessoas com acesso à educação e instrução também são influenciadas por discursos de poder. Destarte, não se exaure a análise dessas influências, mas sim, cria luzes a novas dubiedades. Neste sentido, corroboramos a ideia de Foucault (1993, p.96), de que é preciso admitir de que há um “jogo complexo e instável em que o discurso pode ser ao mesmo tempo, instrumento e efeito de poder.”

 

 

 

 

Leia 919 times

Receba informações